{ O Ensino Waldorf }

O Currículo

O currículo Waldorf contempla todos os aspectos legalmente previstos para a educação no país, abarcando de forma ampliada as dimensões cognitiva, física, emocional, estética, social e espiritual. Procura desenvolver nos jovens as qualidades necessárias para que saibam lidar com as demandas constantes e velozes mudanças atuais. Principalmente, procura despertar a vontade de atuar no mundo de forma cada vez mais consciente, de seguir conhecendo-se a si mesmo e assumindo a realização de seus ideais com criatividade, flexibilidade, responsabilidade e capacidade de questionamento e de relacionamento.


As crianças do maternal e jardim de infância aprendem principalmente através da imitação, e a imaginação é o seu universo natural. O objetivo do jardim é desenvolver na criança pequena um senso de admiração e reverência por todas as coisas da natureza e pelas qualidades de confiança e coerência nas relações humanas. Isso cria uma expectativa pelos assuntos acadêmicos e experiências que virão a seguir nas classes de grau.



No ensino fundamental, aprendem através da orientação de um professor principal de classe, que os acompanha por vários anos, promovendo oportunidades para que o dom nato da imaginação possa se transformar gradualmente na criatividade adulta, somada à capacidade de ação (fonte: Federação das Escolas Waldorf do Brasil).



Vida Real
Na pedagogia Waldorf, a vivência deve preceder a teoria. O conteúdo curricular é ajustado para que haja uma identidade entre o que o aluno vive e o que deve aprender. O aprendizado efetiva-se por meio de questões e tarefas conectadas com o modo como a criança e o jovem naturalmente se relacionam com o mundo. Vale-se, por exemplo, da experiência e do sentido do ato de dividir com o outro, doar e receber, para aprender a matemática; e da capacidade de evidenciar a passagem do tempo, para o estudo dos verbos. Almeja-se que todas as aulas sejam, de fato, um preparo para a vida real.



Aprendizagem Contínua e Criatividade
Os professores Waldorf empenham-se em deixar que desabroche nas crianças o entusiasmo natural por duas aptidões centrais da época atual: o interesse pela aprendizagem contínua e a criatividade.


A primeira delas resulta na habilidade de aprender a estudar e de ser capaz de aprender por toda a vida. A segunda, e igualmente importante, diz respeito ao agir criativo. Ser criativo significa inovar, fazer acontecer uma nova realidade, a partir das circunstâncias e elementos que se têm à mão – agindo livre e produtivamente, e não somente atrelado a um plano pré-existente.


A Criança e o Ritmo
Atividades executadas de forma rítmica e com regularidade levam aos hábitos, que participam da formação da personalidade. Assim, a Escola Waldorf tem atividades em diferentes níveis de periodicidade, refletindo os ritmos do corpo e do meio ambiente.


Para fortalecer o ritmo e a vitalidade da criança, na Pedagogia Waldorf há uma respiração (inspirar-expirar) que se expressa no dia-a-dia e nos eventos. As atividades escolares são vivenciadas com o cuidado de proporcionar o tempo da expansão – como nos momentos no parque ou nas aulas de jogos – e o tempo da contração – quando os alunos exercitam a concentração, ao fazer trabalhos manuais e ao ouvir contos de fadas.


Ao longo do ano, a comunidade escolar também vivencia os ritmos, relacionados com as estações do ano e as festas culturais.  A expansão da Festa da Primavera, por exemplo, contrapõe-se à Festa da Lanterna, que ocorre no inverno e celebra um período de recolhimento, contemplação e calma preparação para o período solar que advirá.

A Força da Fantasia

Nas histórias e nas brincadeiras, as situações, lugares, personagens e objetos são reinventados e transformados pela força da imaginação que acrescenta qualidades às coisas, expande seus limites. Essa força da fantasia, a vontade de agir sobre o que é descoberto, precisa de liberdade para acontecer, alimento para crescer e se tornar certeza de que é possível agir no mundo, enfrentar desafios e encontrar soluções.



As histórias contadas, sem recursos de ilustrações ou dramatizações, deixam espaço para a imaginação criar universos inteiros. As lendas e os contos de fadas antigos, originários de uma época em que a humanidade se relacionava mais diretamente com a natureza, com os acontecimentos sutis (invisíveis) e com a intuição, ativam o movimento da imaginação e a percepção da criança. Canções que acompanham o universo imaginado, que celebram fatos importantes e marcam momentos especiais, alimentam o contentamento por simplesmente estar no mundo, expressam a fluidez e as transformações de tudo, num ritmo que pode ser sentido.



A fantasia introduz a criança no mundo mágico das brincadeiras e estimula a criatividade através da manipulação de objetos e brinquedos simples, não acabados, que deixam a imaginação completá-los. O poder de inventar, de dar novos significados, o mergulho nessas possibilidades de escolha, fortalece a vontade. Pedaços de madeira, pano, papel; tintas de aquarela, lápis de cera, massinha de modelar; bolas variadas, animais, carrinhos e bonecas – todos feitos de materiais orgânicos transformam-se naturalmente em brincadeiras, personagens e histórias no dia-a-dia da sala de aula.



A Aprendizagem e seu Tempo
O fato de não se exigir ou cultivar um pensar abstrato, intelectual, muito cedo é uma das características marcantes da pedagogia Waldorf em relação a outros métodos de ensino. Não é recomendado, por exemplo, que as crianças sejam ensinadas a ler antes de entrar na 1º ano.



“Sabe-se que, ao nascer, a criança ainda não está totalmente desenvolvida. Embora já tenha certa autonomia, seus órgãos ainda são bastante imaturos e o amadurecimento dos mesmos ainda vai levar muitos anos. (...) Assim, por exemplo, para poder aprender a ler e escrever, por volta dos sete anos de idade, ela precisa adquirir um perfeito domínio do espaço tridimensional. É nessa época que se estabelece a dominância de um dos hemisférios cerebrais, evidenciando a maturação do sistema nervoso central. Esta é adquirida principalmente por meio da motricidade. Isso significa que a criança deve ter as vivências do que é em cima e embaixo, frente e trás, direita e esquerda”.

( Dra. Sonia Setzer, médica escolar )

Vínculo Professor/Aluno
Outra característica marcante dessa pedagogia é o acompanhamento da classe por um mesmo professor principal ao longo dos anos, criando fortes laços com os alunos e suas famílias.



Links Relacionados:



[ > ] Escola Waldorf Rudolf Steiner, São Paulo

Website de uma das mais antigas e respeitadas escolas Waldorf do Brasil, em São Paulo, em atividade desde 1955.


[ > ] Federação da Escola Waldorf no Brasil
Website da Federação Waldorf no Brasil, a qual a Escola Waldorf Recife é afiliada.


[ > ] Writing and Reading, p. 1

Especialista em Educação Waldorf, Eugene Schwartz fala neste filme em 2 partes sobre o aprendizado da leitura e da escrita, segundo a Pedagogia Waldorf.



[ > ] Writing and Reading, p. 2

Especialista em Educação Waldorf, Eugene Schwartz fala neste filme em 2 partes sobre o aprendizado da leitura e da escrita, segundo a Pedagogia Waldorf.



[ > ] Geometria

Matemática, Física ou Arte? Especialista em Educação Waldorf, Eugene Schwartz fala sobre o ensino da Geometria na Pedagogia Waldorf.

*

 

Escola Waldorf Recife

Unidade I: Rua Regueira Costa, 166, Rosarinho, Recife PE - CEP 52041-050

Tel: (81) 3441-0703

E-mail: secretaria@escolawaldorfrecife.org

​© Escola Waldorf Recife